Resenha: A Elite (Série A Seleção #2) - Kiera Cass

sexta-feira, maio 22, 2015
Nome Original: The Elite
Série: A Seleção #2
Editora: Seguinte
Páginas: 360
Gênero: Young Adult, Romance, Distópico.
Lançamento: Abril de 2013.
A vida no palácio não era tão ruim quanto America imaginava. Ou melhor: com todos os mimos e privilégios que estava tendo, ela já mal se lembrava de como era pertencer à casta Cinco. Ser Um, em compensação, era fácil: suas criadas eram costureiras talentosíssimas e faziam vestidos maravilhosos; os banquetes e as festas que frequentava eram incrivelmente divertidos; e o conforto em que vivia agora seria impensável alguns meses atrás. Além de tudo, quando sentia saudade de casa, tinha Aspen por perto. Ele era compreensivo, companheiro e tinha decidido colocar sua vida em perigo por ela - afinal, o que aconteceria se alguém descobrisse que, além de guarda do palácio, era ex-namorado de uma das candidatas? Era com Aspen que America contava nas horas mais difíceis. Por outro lado, o príncipe Maxon era atraente, bondoso, carinhoso e - o mais importante - desejava America mais do que qualquer outra garota da Elite. Mas, além de estar com o coração secretamente dividido, também era difícil lidar com o fato de que aceitar Maxon significava ter que aceitar uma coroa. America não tinha certeza se gostaria de ser uma princesa. Apesar da vida glamorosa, havia tantas coisas com as quais ela não concordava e que permaneciam sem explicação: por que o palácio sofria tantos ataques rebeldes? O que era reivindicado? Por que os castigos aos infratores tinham de ser tão violentos? O que estava por trás daquele regime de castas tão cruel? O tempo está acabando e as dúvidas de America só aumentam.
Esse segundo volume da série eu já não apreciei tanto quanto o primeiro (resenha aqui). Justamente os motivos de eu eu ter gostado de 'A Seleção' não se repetiram em 'A Elite'. A personagem feminina e o triângulo amoroso meio que foram ladeira abaixo. Quero dizer, no primeiro livro a gente acompanha a saga de uma menina que teve o seu coração partido pelo o amor da sua vida e se viu obrigada a seguir em frente sem atropelar as coisas e sendo honesta em relação aos seus sentimentos desde o principio com ambos os caras.

A America não iludiu o Maxon ou brincou com os sentimentos dele, e o mesmo aconteceu com o Aspen. Afinal, ela estava namorando um cara, ele terminou com ela, e ela teve de seguir em frente. Conheceu o Maxon e aos poucos foi gostando dele. O Aspen reaparece novamente dizendo que a ama e que se arrependeu, mas ela em um segundo momento resolve se afastar porque não seria justo manter algo com ele naquela situação apesar de ainda ama-lo. 

Em a 'A Elite' a America faz uma confusão tão grande com tudo isso, cada hora oscilando entre um e outro que se tornou cansativo ao extremo. Acaba deixando o leitor até confuso e de certa forma até perdendo o interesse na história por duvidar dos sentimentos da garota por ambos. Já no meio do livro minha paciência já tinha se esgotado. Eu entendo a imaturidade e a imperfeição dos personagens porque no fim da história nós todos temos de perceber a evolução pessoal deles, mas a America se tornou uma pessoa diferente do primeiro. 

Obviamente, que e também entendo que os sentimentos dela pelo o Maxon a pegaram de surpresa e que escolher ele inclui muito mais do que apenas ficar com ele, pois ela teria de se tornar princesa e nesse papel ela teria de anular um pouco de quem ela é. Mas se fez a escolha, que permanecesse com a escolha

A coisa toda do Aspen é muito chata. Ele continua insistindo em tê-la de volta, mesmo sabendo que foi ele mesmo que a colocou naquela situação. Eu gostava dele no primeiro livro mas agora ele só se mostrou chato, insistente e completamente inconveniente. Mais um bom personagem que foi ladeira a baixo.

E o que não ajudou em nada a situação é que para completar toda essa confusão, o Maxon também acaba criando o seu próprio triângulo amoroso a partir de um determinado momento no livro em que ele começa a também desenvolver sentimentos por uma das seis da Elite. Isso me frustrou um pouco, porque nem ele mais sabia o que queria e não era só mais só uma questão de ele fazer a America ama-lo, mas também de até ele mesmo querer ficar com ela. Como fazer uma pessoa ficar com você se nem você mesmo sabe se quer ficar com essa pessoa?!

O livro faz algumas revelações chocantes, principalmente no que concerne ao Rei. Se eu já não ia com a cara dele, hoje tenho absoluta certeza. Mas foi bom, porque deu um toque mais humano ao Maxon. Uma coisa legal desse livro é que tivemos a chance de conhecer melhor a Celeste e entender o porque que ela do jeito que é. A menina acabou ganhando a minha simpatia. Agora, tem um momento nesse livro muito complicado no que concerne a Marlee. Acho que o segredo dela já era um tanto óbvio, mas as consequências dele é que foram de partir o coração.

Enfim, o livro no todo não é ruim e nem bom. Acho que a palavra que o define para mim é frustração. Apesar disso, ainda li o livro em apenas um dia, ainda continuei a gostar dos personagens e também a torcer pela America e Maxon. Mas realmente, a autora soube testar o "amor". Também poderia ter nos poupado de tanta repetição em relação a roupas, quarto das mulheres e coisas que pouco acrescentavam. Poderia de repente ter focado mais na parte distópica da história, nos contando um pouco mais da sociedade em que viviam e qual é a coisa toda em relação aos rebeldes. Mas enfim, vamos ver se no próximo volume tudo isso se esclarece. Mas acho que 3 estrelas pra esse aqui é mais do que suficiente.
Tecnologia do Blogger.