Review: Badger - C.M. McKenna

segunda-feira, fevereiro 13, 2017
Editora: Brain Mill Press
Língua: Inglês
Páginas: 513
Gênero: Romance, Contemporâneo, Dark, Adulto.
Lançamento: Agosto de 2015.
E-book Amazon BR
A quase doze meses sóbria, Adrian Birch se sente como uma ninguém. Mas quando seu pulso é quebrado em um acidente de carro, ela é vingada por Badger, um secreto vigilante de rua. Instantaneamente obcecada, Adrian apela para uma encenação de suicídio e encontros casuais para chamar a sua atenção. Moldado com o erotismo obscuro dos quais são tão característicos de McKenna, o resultado desse affair se torna brutal até que a conexão entre os dois sai fora de mão e acaba inflamando a violenta paixão das pessoas de Boston.
Particularmente, eu nem pretendia escrever uma resenha sobre Badger, como não é um livro muito conhecido lá fora, não achei que valeria a pena, mas mudei de ideia enquanto eu o lia. Gostei tanto que eu precisava expor esse livro para quem ainda não o conhece. Badger surgiu pra mim ano retrasado assim que algumas amigas blogueiras da gringa o recomendaram. Eu comprei o livro na mesma hora. Porém, infelizmente e sem querer eu acabei me deparando com um spoiler que acabou estragando toda a graça do livro. Conclusão, deixei ele de castigo no tablet na esperança de com o tempo vir a esquecer o tal do spoiler, mas mesmo depois de mais de um ano, isso não aconteceu e eu simplesmente cansei de esperar e peguei o livro logo de uma vez. É angustiante ter um livro que você sabe que provavelmente vai amar e não o ler porque agora sabe demais. rsrs

Por essa razão, vou manter essa resenha bem vaga, não quero estragar a experiencia desse livro para vocês. Aliás, sendo bem sincera, esse aqui é de fato um livro difícil de resenhar e expressar em palavras a nossa experiência com ele.

Eu não conheço muito bem essa autora, ela é bem conhecida lá fora, já tem uma penca de livros lançados, mas esse foi apenas o meu segundo livro dela. Cara McKenna escrevendo com o pseudônimo de C.M, McKenna nos traz um romance um tanto único.  Até então eu nunca tinha lido uma história como essa. O que basicamente distingue esse romance, são os personagens.

Não existe nada de comum em se tratando do personagem masculino. O Badger não é o tipo de cara que você costuma ver nos livros. Ele é diferente e inicialmente eu mesma fiquei em conflito sobre gostar ou não do personagem. Não espere dele romantismo, sensualidade, cavalheirismo e nem nada que defina aqueles típicos macho alfa. O Badger é um cara sem filtro, sem auto controle, solitário, meio rude e altamente traumatizado. Já de cara você percebe que ele é um tanto peculiar. Ele ganhou esse apelido Badger pela a população de Boston, porque ele usa uma jaqueta com as cores desse mesmo animal. Ele ficou famoso pelas as ruas porque ele sai pedalando pela a cidade atirando com uma arma de paintball nas pessoas que ele julga ter cometido algum ato falho, dessa forma ele acabou virando uma espécie de herói/justiceiro para alguns, mas também inimigo para outros.
"Eles o chamavam de Badger porque ele era raivoso e agressivo, preto e cinza."
A Adrian é uma jovem de 27 anos que se encontra completamente desesperada. Desempregada, cheia de contas para pagar, ficha na polícia e com uma reputação de ex drogada (vício em pílulas para dor), a vida não anda muito fácil para ela. A Adrian sempre se sentiu como um peixinho fora d'água, inclusive na própria família e por essa e outras razões, em um período de uns dois anos ela acabou buscando o conforto nas drogas. A dez meses que ela encontra-se sóbria e tentando colocar a vida de volta aos trilhos, mas hoje ela vive cheia de culpa por algumas coisas que fez e consequentemente pagando pelas consequências de alguns erros. 

Em busca de um emprego, um belo dia andando na rua ela acaba sendo atropelada e é ai que ela conhece o Badger, porque ele surge do nada e sai correndo de bicicleta atrás do carro que a atropelou. E com isso ela fica impressionada e curiosa a respeito desse cara que sem nem conhecê-la, saiu em busca de justiça. A Adrian quer conhece-lo melhor e com isso começa a pesquisa-lo na internet. O problema é que a identidade do Badger é secreta e ninguém sabe quem ele é e de onde vem. Assim, apostando no incerto, ela formula um plano para conhece-lo, o que acaba funcionando. No entanto, ele não é nada do que ela esperava.

“Eu me perguntava o porque que eu o queria tanto, quando ele nunca nem se quer havia admitido que gostava de mim..."
Nem herói e nem justiceiro. O Badger é apenas um cara que anda pelas as ruas a procura de pessoas que ele possa descontar a sua raiva e sentir-se melhor. Como eu disse lá em cima, o Badger tem alguns problemas decorrentes da infância e essa é a forma que ele encontrou de lidar com as suas emoções.

"Ele estava tão profundamente ferrado que nenhuma pessoa, nenhuma mulher bem-intencionada, teria qualquer chance de ser o suficiente para compensar por tudo o que lhe havia acontecido. Especialmente não uma tão imperfeita e medíocre como eu."
Apesar de ficar decepcionada, ainda assim a Adrian continua intrigada por esse cara tão peculiar. E em uma série de eventos, os dois acabam se encontrando e sentindo uma força estranha os atraindo para si. Assim, ambos acabam caindo em um jogo de gato e rato e se envolvendo sexualmente. O problema é que em decorrência de anos de abuso enquanto passava por vários lares adotivos na infância, hoje o Badger só consegue sentir prazer através da dor, não é uma escolha é apenas algo que ele não consegue mudar. Ao mesmo tempo a Adrian sente dificuldades em lidar com isso e por ela gostar dele e não querer muda-lo, ela resolve pouco a pouco ir tentando satisfaze-lo.

"Desiste. O tipo de sexo que você provavelmente quer em nada me afeta. E o tipo que eu quero te levaria a terapia. Do jeito que eu vejo, beijar é melhor do que não beijar, mas se isso não for mais o que você quer, então vamos deixar  pra lá. E se você estiver toda agitada e excitada, me diga como te dar prazer - Estaria feliz em fazer. Só não espere que eu sinta o mesmo."
Apesar de esse livro abrir para esse mundo do sadomasoquismo, eu não diria que ele seja uma espécie de erótica. Na realidade, acredito que a preocupação da autora nessas cenas era em mostrar como que o abuso o afetou tão drasticamente. As cenas não são sensuais, muito pelo o contrário, algumas são até bem perturbadoras e as vezes até mesmo tristes. São nessas horas que a gente consegue ter uma melhor dimensão do que ele sofreu, muito embora a autora não entre em muitos detalhes do passado dele.

"Eu nunca irei ama-la de volta", ele disse".
Enfim, eu gostei muito desse livro. Ele é basicamente uma história sobre dois indivíduos completamente perdidos na vida quando eles se veem como um peixe fora d'agua e não compreendidos pela a sociedade e assim, tentam encontrar conforto um no outro. É também sobre auto conhecimento e o quão profundo e irremediável alguns traumas podem se tornar e o quanto eles podem afetar outras pessoas. 

"Desista de mim Adrian, pelo o amor de Deus!"
É um livro triste, mas ao mesmo tempo que é doloroso é também reconfortante e ao final, vai te fazer ficar refletindo sobre a vida dessas pessoas ainda por um bom tempo. Uma brilhante, excepcional e singular história que vale muito a pena ser lida, mas não espere um romance colorido, esse livro passa bem longe disso.
Tecnologia do Blogger.