[Resenha de Livro Adaptado] Filme: O Quarto de Jack

domingo, fevereiro 14, 2016
Lançamento: 18 de fevereiro de 2016
Dirigido: Lenny Abrahamson 
Elenco: Brie Larson, Jacob Tremblay, Joan Allen, William H. Macy.
Gênero: Suspense e Drama
Nacionalidade: Canadá e Irlanda
Joy (Brie Larson) e seu filho Jack (Jacob Tremblay) vivem isolados em um quarto. O único contato que ambos têm com o mundo exterior é a visita periódica do Velho Nick (Sean Bridgers), que os mantém em cativeiro. Joy faz o possível para tornar suportável a vida no local, mas não vê a hora de deixá-lo. Para tanto, elabora um plano em que, com a ajuda do filho, poderá enganar Nick e retornar à realidade.
O filme 'O Quarto de Jack' é baseado no livro o 'Quarto' de Emma Donogue. E ele não só foi bestseller do NYT, como ganhou o prêmio de melhor livro do ano pelo o mesmo jornal.

Eu tive a oportunidade de assistir ao filme ontem e fiquei verdadeiramente encantada. Primeiramente, esclareço que não li o livro. Embora, eu o tenha na prateleira, sempre fiquei receosa de lê-lo. Já ouvi pessoas falarem para não "temê-lo", pois o livro não é tão pesado, uma vez que ele é narrado por uma criança de 5 anos, alheia aos acontecimentos a sua volta. Mesmo assim, toda vez que segurava o livro, acabava mudando de ideia. Na realidade, a história abordada nele é muito delicada e se você não estiver no clima certo pra mergulhar nela, a leitura fica comprometida. E esse "clima", nunca chegou pra mim.

Mas enfim, voltando ao filme, eu li que ele foi inspirado em um caso que aconteceu na Áustria, onde o pai aprisionou a filha por anos e com ela teve sete filhos. Eu lembro quando li sobre esse caso no jornal e acho que o nojo que senti por tudo o que a menina passou foi tanto que ele infelizmente me bloqueou de ler o livro. 

Pois sim, a base da história é um pouco parecida com essa. Um dia a Joy, uma garota de 17 anos encontra com um cara na rua e ele pede a sua ajuda pois o seu cachorrinho está doente. E ao tentar ajuda-lo, ele acaba lhe sequestrando e a prendendo em um quarto minúsculo. E obviamente que ele a estupra por várias e várias vezes e dessas relações sexuais, ela acaba engravidando. Mas nada disso é mostrado no filme, até porque quando o filme começa, o Jack já tem 5 anos de idade e vive trancado no quartinho com ela. Então, nós apenas ouvimos elar posteriormente contar parte do que aconteceu e claro, algumas coisas ficam nas entrelinhas. Mas é um alívio nada disso ter sido mostrado, porque teria sido muito doloroso assistir a uma coisa tão forte assim.

Realmente, o filme não é tão impactante como poderia se imaginar, pois ele também segue a linha do livro e meio que é narrado pelo o ponto de vista do garotinho. E o interessante, é que ele é uma criança muito pura, pois a mãe tentou de todas as formas protegê-lo da podridão em que ambos estavam vivendo. Ele não via as coisas que o sequestrador fazia, então ele não perdeu a inocência. E como ele não via a maior parte das coisas, nós também fomos poupados dos detalhes sórdidos. rss

Quando o filme começa, a gente percebe que a Joy é uma ótima mãe e faz de tudo pra dar algum tipo de vida para o Jack. E ela é tão focada nele, que ele acaba lhe dando forças pra lidar com tudo o que acontece ao seu redor. Pois, além de ficar presa, o sequestrador a visita todos os dias em um determinado horário. No entanto, apesar de a situação ser alarmante, ela não é retratada de forma aterrorizante, pois é como se eles já tivessem se enquadrado a uma espécie de rotina.

Além da sensibilidade com a qual a história foi representada, o que mais me chamou a atenção foram as atuações dos atores principais. Pra uma criança, o Jacob arrebentou. Ele realmente me deixou chocada. Que talento! Imaginando no que ele irá se transformar no futuro. Se existisse Oscar infantil, teria de ser dele com absoluta certeza. Outra que também surpreendeu foi a Brie Larson. Nossa! Não é a toa que ela tem ganhado todas as premiações e muito provavelmente irá ganhar o Oscar daqui há alguns dias também. E ela merece! Foi espetacular.

Realmente recomendo esse filme. É um drama emocionante, que com certeza vai tocar o seu coração de todas as formas. Ele também concorre ao Oscar e embora ache que ele não ganhe, já é um baita reconhecimento por essa história tão chocante.

Na verdade, ela é muito mais sobre a relação da mãe com o filho do que sobre o sequestro em si. E acho que é por isso que de tudo, você chega a conclusão de que o filme embora triste, é também bonito. Muito recomendado.
“Você me salvou, duas vezes...” - Joy
Tecnologia do Blogger.