Resenha: Stolen (Raptada): Uma Carta ao Meu Sequestrador - Lucy Christopher

Nome: Stolen (Raptada): Uma carta ao meu sequestrador
Autora: Lucy Christopher
Editora: ID
Lançamento: 2012
Páginas: 368
Gênero: Romance, Contemporâneo, Young Adult, Dark.
Gemma é uma adolescente normal esperando para pegar um voo no aeroporto de Bangkok com seus pais. Ao se afastar, conhece o charmoso e envolvente Ty, e nem imagina quais são suas reais intenções. Ele lhe oferece um café em que coloca algum tipo de droga. Confusa, ela é sequestrada e arrastada para o meio do deserto australiano. Ele a rouba para si, depois de anos a observando, e ainda espera que ela o ame. Os dias se passam e eles têm apenas um ao outro na imensidão vazia e escaldante do deserto, e Gemma começa a entender e conhecer Ty. É aí que os limites entre inimizade e compaixão vão ficando cada vez mais tênues.
Sabe aquele livro que te marca de uma forma que você sabe que jamais irá esquecer? Bom, assim foi para mim quando li Stolen. Não sei dizer se foi por causa da autora ou se foi por causa do enredo. O que eu sei é que até então eu nunca tinha saído da minha zona de conforto e quando eu finalmente saí, eu dei de cara com um livro maravilhoso.

Esse livro me desafiou de tal forma, que conforme eu ia lendo, a minha cabeça ia girando e dando vários nós. Eu cheguei ao final com o coração na mão e me questionando se eu havia perdido todo o senso do certo e errado. hahaha

Ele conta uma história de amor? Sim, mas não diria que é exatamente um romance. Como ele aborda a Sindrome de Estocolmo (quando a vítima se apaixona pelo o seu sequestrador) eu diria que ele está bem longe de ser aquela coisa fofa e romântica.  Ele é puro drama e conflito pessoal.
"Eu fui raptada em um aeroporto. E ele ainda esperava que eu pudesse ama-lo..."
A concepção inicial de todo mundo eu acredito, seja o choque - pelo menos foi a minha. Afinal de contas, o que faz uma pessoa na sua mais capacidade mental, se apaixonar por uma pessoa que te priva da sua própria liberdade!? Isso parecia um conceito impossível na minha cabeça. Mas a medida que você entra na história, você vai vendo que as coisas não são tão preto no branco, mesmo quando se trata de um assunto como esse.
"Você me viu antes que eu visse você. No aeroporto, naquele dia de agosto, você tinha aquela expressão em seus olhos, como se quisesse alguma coisa de mim, como se a quisesse há muito tempo. Ninguém nunca tinha me olhado assim, com tanta intensidade. Isso me perturbou, me surpreendeu, eu acho. Aqueles olhos azuis, bem azuis, um azul gelado, olhando para mim como se eu pudesse aquecê-los. Eles são muito poderosos, seus olhos, você sabe disso, e muito lindos também. 
Depois desse livro eu já li vários outros que abordam o mesmo assunto (como por exemplo: Held, Sempre, The Breakaway) mas acho que nenhum deles soube abordar tão bem os conflitos que passam pela a cabeça de uma pessoa que acaba sofrendo com essa síndrome. Aliás, pra ser bem sincera, eu diria que nesse caso específico a personagem não acaba sendo a única a sofrer desse mal. A escritora propositalmente faz com que todos se sintam assim. Todo mundo que eu vi falando sobre esse livro, também acabou de alguma forma envolvido na situação de tal forma que passou a torcer pelo o romance. Eu mesmo fui uma delas. Confesso que fiquei super confusa em relação aos meus sentimentos, sobre o aceitável e o condenável... Realmente a autora desenvolve essa história de uma forma que deixa a gente completamente perdido em relação ao que sentir e pensar.
"E é difícil odiar alguém uma vez que você passa a entende-lo".
O livro te prende do inicio ao fim. E ele também é contado em forma de uma carta (da vítima para o sequestrador), o que acaba dando ao livro um tom diferente. O interessante é que a história por abordar esse assunto se torna  um pouco chocante, mas acho que justamente pelo o fato de os personagens serem jovens e da autora também querer atingir esse público, ela acabou pegando um pouco mais leve nas cenas de violência. No fim, isso foi bom, porque o livro te tira da zona de conforto, lhe proporciona um algo novo, mais também não te choca por completo. Acho que pra quem está querendo navegar por águas literárias um pouco mais "sombrias", esse livro seria um bom começo.

Eu não vou contar nada sobre o enredo. O importante e o que cada um que for ler o livro precisa saber, é o que está na sinopse. Além do que está lá, é desnecessário. Leia ele as cegas, porque assim você sentirá o impacto total.  

Esse livro definitivamente é 5 estrelas. Muito mais do que me marcar, ele balançou mesmo as estruturas. Fiquei muito feliz de ter visto ele aqui no Brasil. Se preparem pra uma montanha russa.

PS1: Para os curiosos em relação a quem a autora imaginaria em um filme como Ty e a Gemma, ela diz: “se eu pudesse mudar o passado, eu traria o maravilhoso Heath Ledger, ele faria  um ótimo Ty. Outros atores que também são lindos e que poderiam conseguir interpreta-lo seria o Ryan Kwantan ou o Ian Somerhalder. Para a Gemma, acho que ela seria uma mistura da atrizes Evan Rachel Wood e Kristen Stewart...  apesar de que precisaríamos de uma versão inglesa." 

Para mim, a Gemma e o Ty que eu tinha na cabeça enquanto lia eram esses dois das fotos acima - Alex Pettyfer e a Lucy Hale.

13 comentários:

  1. Cheguei a ter este livro, mas admito que nunca o li. Acabei doando. Não que achasse que ele fosse ruim, não é isso, mas a história me parece um pouco bizarra. Gostei da resenha, o livro parece interessante, mas sei lá viu...

    ResponderExcluir
  2. Ah que dó! Vc sabe que eu acho que isso acontece com a maioria das pessoas. Pq esse livro quase não ganhou destaque aqui. E ele sendo bom como é, eu achei isso bem estranho.
    Mas eu entendo. Esse tópico nem sempre agrada a todos. Eu mesmo ficava com o pé atrás e provavelmente nem teria lido (pelo menos naquela época) se eu não tivesse visto a indicação desse livro no blog de uma menina que eu sigo que tem os gostos mto parecidos com o meu. Resolvi dar uma chance, e não me arrependi. Se algum tiver eles em mãos novamente, tente tb. Vc pode se surpreender. Não vi uma pessoa que tenha lido esse livro que não tenha gostada.

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é incrível e me dá muita dó que as pessoas não o conheçam. Li tem algum tempinho, mas a autora me envolveu completamente com o enredo e passou muita verdade com ele, a escrita é crua e direta. O romance é mesmo diferente, mas mesmo assim eu amei.

    Bjs, @dnisin
    www.seja-cult.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso. A escrita é bem direta e completamente emocionante e envolvente. Uma pena mesmo que esse livro não seja mto conhecido aqui, fato este que eu achei super estranho, tendo em vista o livro que ele é. Acho que o assunto dele assusta um pouco as pessoas. Baseio isso por mim msm, pois qnd fiquei sabendo dele, tive um pé atrás, mas ainda bem q dei uma chance.
      Bjos, Denise!

      Excluir
  4. Interessante. Mas tenho um pouco de receio ao ler temas desse tipo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se preocupa. A autora não mergulha tanto no lado negro.
      Quero dizer, esse livro não é como aqueles romances fofos, mas tb não é nada tããão exagerado assim.
      E é bem emocionante... Tb tive esse receio, mas ainda bem que li.
      Dá uma chance... vc pode se surpreender.

      Excluir
  5. O que eu acho mais interessante, é que sempre acabo torcendo, inevitavelmente, pelo casal independente da situação que os cerca. Mas sempre acabo com aquela sensação de que estou errada ou perdendo a noção. Já estou de olho nesse livro a algum tempo, mas sempre acabo nesse conflito interno com medo de acabar mal. Trauma causado por "Proibido", outro livro com tema tabu, do qual não sei até hoje se gosto ou não. Fico tão confusa com meus próprios sentimentos, que acabo descontando na leitura. Mas acho que vou dar uma chance! Sua resenha ficou perfeita, e me deixou intrigada! Amo Ian Somerhalder!! E acho que esse livro daria uma bela adaptação. Bjokas...
    entreumlivroe-outro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh eu te entendo. Sei como é porque também senti o mesmo. Fiquei preocupada se tinha tendência pra síndrome de Estocolmo. hahahaha
      Mas o problema é que do jeito que autora monta a história, do jeito que ela humaniza os personagens, do jeito que coloca o tabu em perspectiva se torna impossível vc não se envolver de uma forma mais profunda. No fim das contas, joguei as minha preocupações pela a janela e torci pra tudo dar certo.
      Que bom que gostou da resenha, leia mesmo, porque sinceramente, esse é um livro que vc jamais vai esquecer. Eu já li muito livro na vida, mas esse destacou dentro todos e acho que sempre vou lembrar...
      Ah tb adoro o Ian, mas acho que o Ian não combina com o personagem não... Ele é bem loiro do sol... Parece uma graça, inclusive.
      Beijooos

      Excluir
  6. Oi... Amei a resenha! Sonho com uma continuação, é o meu livro favorito! Ah... E até hoje acho que ela não adquiriu Estocolmo, realmente creio que existe um amor de verdade ali. Sou tão apaixonada que até tentei continuar a história, mas... Desisti

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O teclado travou no meio da resposta ali .-.
      Enfim, ... Não consegui acessar o link dos outros livros que você citou

      Excluir
    2. Oi! Eu também sonho com essa continuação, mas já acho que não vai acontecer. Leia o The Breakaway.... Eles são parecidos e ele tem continuação, embora eu ainda não tenha lido, porque ele só foi lançar bem depois de eu ter terminado o 1º.

      Ah eu atualize os links, sorry.

      Excluir
  7. Alguem pode me emprestar ? Moro centro de contagem - minas gerais

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.